Textos


Lua encantada Poeta acorda e vem mirar a lua
no céu escuro, bela e cintilante,
usando véu de estrelas por turbante
e pó de prata com que se tatua.
 
Vem espreitá-la, ao menos por instante,
o alvor da luz no escuro se acentua
está mais bela do que quando nua
desfila pelo céu,  muito elegante.
 
Andeja sobre o manto estrelejado
- tapete tão macio e aveludado –
a bela ninfa envolta em rendas, véus.
 
Está demais garbosa - quanta graça! -
deixando argênteos fios onde passa,
e sonhos dentro d’alma dos  incréus.

  Brasília, 26 de Agosto de 2012.
ESTILHAÇOS, pg. 52
Sonetos selecionados, pg. 78


 
Edir Pina de Barros (Flor do Cerrado)
Enviado por Edir Pina de Barros (Flor do Cerrado) em 26/08/2012
Alterado em 18/03/2017
Copyright © 2012. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários